Hora de construir uma cultura baseada em dados dentro do departamento jurídico

O que você encontrará aqui:

Implementar uma cultura data-driven significa disponibilizar uma série de mudanças no uso dos recursos e na mentalidade dos colaboradores de uma empresa para que possam tomar melhores decisões. O modelo deixa as suposições e os “achismos” de lado, passando a confiar no Big Data, Business Intelligence e Business Analytics, para trabalhar e aumentar os índices de sucesso alcançados pela empresa em todos os seus processos.

Utilizado por muitas empresas em todo o mundo, o modelo baseado em dados exige que se invista em pessoas e em metodologias que substituam processos de tomada de decisão utilizados anteriormente.

E é muito importante que os departamentos jurídicos façam parte dessa mudança, não somente para melhorar suas práticas, mas também para e aumentar o seu valor estratégico para a organização em geral.

 

Alguns números sobre os reflexos de uma cultura data-driven

Um levantamento feito pela Gartner, empresa especializada em consultorias de tecnologias, demonstrou que 90% dos empresários, dos mais diversos setores, afirmam que os dados são fundamentais para as iniciativas de transformação digital de qualquer empresa.

A empresa de consultoria global IDC também apresentou uma pesquisa revelando que 73% dos líderes de empresas inovadoras tomam suas decisões com base em dados a partir de análises avançadas (apenas 5% utilizavam a intuição como principal orientador).

Além disso, as empresas orientadas por dados têm 23 vezes mais probabilidade de adquirir novos clientes e 6 vezes mais probabilidade de retê-los, de acordo com um estudo feito pela Data Ideology.

Já um relatório feito pela DataBase Trends & Applications apontou que as organizações orientadas por dados têm 162% mais probabilidade de exceder os ativos de receita e 58% mais probabilidade de exceder as metas de receita do que as suas contrapartes não orientadas por dados.

Os números acima mencionados não deixam dúvidas de que uma empresa data-driven não é uma mera tendência, mas sim algo essencial para se destacar e se manter competitivo.

 

Como implementar essa mudança no meu negócio?

  • 1º Passo – Crie uma estratégia: Uma cultura orientada a dados é aquela em que a equipe vê a análise de dados como parte integrante da estratégia de negócios. Assim, o gestor deve definir uma agenda para sua organização que inclua a identificação dos resultados de negócios e do valor mensurável. Além disso, é importante avaliar o que se deseja obter com os dados em curto, médio e longo prazos.
  • 2º Passo – Garimpe os dados: Uma boa forma de começar a ter acessos aos dados é através da implementação de soluções integradas de gestão, que possam acumular informações de diversas áreas e aumentar a visibilidade dos procedimentos da organização.

    Esse planejamento deve considerar, por exemplo, quais dados a organização armazenará e como, bem como verificar quais processos dos negócios são quantificáveis e podem fornecer informações concretas sobre o que está acontecendo nos negócios.

    Importante que os departamentos jurídicos estabeleçam nessa fase políticas robustas de governança de dados para garantir a qualidade, consistência dos dados e confidenciabilidade das informações.

  • 3º Passo – Analise as informações: Para que os departamentos jurídicos sejam genuinamente orientados por dados, devem “garimpar” as principais métricas que se alinhem com os objetivos organizacionais. Isto implica discernir quais os pontos refletem as eficiências operacionais, como por exemplo, ajudando a reduzir os riscos e custos da judicialização, como cláusulas contratuais que podem ser problemáticas, tendências regulatórias e padrões de litígio recorrentes.

    Em última análise, analisar o que é importante capacita os departamentos jurídicos a demonstrar o seu valor estratégico, garantindo que os dados não só medem o desempenho, mas também o moldam.

  • 4º Passo – Transforme ideias em insights: Existem muitos sistemas de Business Intelligence e Analytics que transformam os dados coletados em informações valiosas. Eles detectam as informações mais importantes e as destacam em relatórios e dashboards personalizados, facilitando aos usuários a tomadas de decisões rápidas e eficazes.
  • 5º Passo – Fomente uma mudança cultural da empresa: A jornada para se tornar orientado por dados começa com uma mudança cultural. Isso é muito mais do que simplesmente a adoção de uma nova ferramenta de organização de informações; exige que todos os profissionais da empresa estejam envolvidos.

    Isto requer a promoção de uma cultura que valorize a recolha, análise e interpretação de dados como ferramentas para melhorar os resultados jurídicos e de prestação de serviços, ou seja, as mudanças empresariais devem estar atreladas a resultados.

 

Caminhe antes de correr

Tornar-se um departamento jurídico orientado por dados não é uma transformação da noite para o dia, mas vale a pena o esforço.

À medida que os departamentos jurídicos fizerem esta mudança, descobrirão que os dados não são apenas um recurso; é um farol que orienta a tomada de decisões estratégicas, conduzindo as operações jurídicas para um futuro em que o seu valor é quantificável, o impacto é claro e as decisões são informadas por mais do que apenas “intuição jurídica”.

Mas, para isso, é fundamental ter um plano de transformação empresarial, que traga uma abordagem proativa envolvendo a mineração de dados e uma completa revisão das operações existentes, de forma que seja capaz de agregar valor constantemente, resultando em maior eficiência e redução de custos.

E tudo isso é possível com a Legal Insights, empresa concebida para proporcionar eficiência e resultados em seus negócios, utilizando-se de tecnologia própria para trazer à base de dados toda e qualquer informação que possa ajudar no gerenciamento de indicadores da área.

Nossa proposta de valor se concentra em proporcionar maior controle, visibilidade e agilidade na gestão de casos e processos. Acreditamos que a eficiência operacional é a chave para alcançar resultados excepcionais.

Compartilhe
Este conteúdo foi escrito por
Picture of Equipe Legal Insights
Equipe Legal Insights

Receba nossos conteúdos

🔒 Seus dados estão 100% protegidos e jamais serão compartilhados. Ao se cadastrar, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Fale com um especialista

Ao enviar você concorda com nossa Política de Privacidade.
Podemos te ajudar?